Curso de Jornalismo Cultural e Religioso na Católica – Braga

Diário do Minho - Jornalismo Cultural e Religioso

Jornal “Diário do Minho”, 03 de julho de 2015: notícia sobre CURSO DE JORNALISMO CULTURAL E RELIGIOSO e outros Cursos de Pós-Graduação na Universidade Católica – Braga.

> Folheto do Curso Jornalismo Cultural e Religioso (em pdf)

> Mais informações sobre a formação Pós-Graduada na FFCS da Universidade Católica – Braga: clique aqui.

Os deuses e deusas da mitologia grega – Tópicos em redor do documentário de Bram Rosse

Texto de Samuel F. Beirão, aluno do 1º ano da Licenciatura em Filosofia, Faculdade de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa – Braga.
Realizado no âmbito da uc de História da Filosofia Antiga, em 10.12.2009

A análise a este documentário vem no seguimento do estudo dos pré-socráticos, na disciplina de História da Filosofia Antiga. Este documentário pode dividir-se em duas partes: a religião grega e as suas repercussões no mundo romano e no cristianismo.
Antes de tudo, as Graças deram a beleza ao homem e as Musas as suas características. As Musas, filhas de Zeus e Mnemósine e habitantes de Olimpo, aparecem pela primeira vez no “Hino às Musas”, da Teogonia, de Hesíodo (1-115). São nove: a mais velha, Calíope, Clio, Euterpe, Talia, Melpómene, Terpsícore, Erato, Polímnia, Urânia. . Calíope sempre foi tida como a mais notável, a companheira dos reis, a que inspirava na administração da justiça. Às outras, pela sua fama de inspiradoras, foram-lhes atribuídas as artes, na época romana tardia. Assim, Calíope ficou com a Épica heróica; Clio, com a História; Euterpe, com a Música; a Comédia foi dada a Talia; a Tragédia, a Melpómene que, subsidiariamente, era a Musa do Canto e da Música; a Dança era a arte de Terpsícore; a Poesia Lírica, de Erato; a Mímica pertencia a Polimnia; e a Astronomia, a Urânia.
Os gregos tinham muito orgulho na forma humana, por isso atribuíram-na também aos deuses. Os deuses faziam o que lhes apetecia, eram superiores, mas estavam sujeitos às mesmas paixões, falhas e fraquezas que os homens. E estes tinham de refrear os seus apetites, por temor aos deuses, que não eram perfeitos, mas poderosos. Aliás, os homens criticavam os deuses.
Como vemos, o homem grego teve necessidade de criar estas entidades superiores para reger as suas relações sociais, a quem agradecer os seus dons e a quem atribuir as culpas dos seus males.
As Cidades-Estado gregas eram autónomas, embora tivessem língua, cultura e comércio comuns. Isto possibilitou que existissem deuses comuns a todas as Cidades e deuses privados. Temos Atena, Zeus, Hermes, Hera, Eros, Efesto, Poseidon, Pan, Artémis, Demeter e tantos outros, cada um com as suas características, as suas histórias, os seus poderes e vinganças. Até havia um altar para venerar o deus desconhecido, não fossem os gregos esquecer-se de algum, que os podia castigar, por não ser adorado. Os Jogos Olímpicos eram uma forma de celebrar e honrar os deuses, oferecendo-lhes os atletas o seu gasto de energia, o seu suor, as suas vitórias.
É neste contexto que a filosofia e o mundo intelectual encontram condições para florescer, em Atenas e por toda a Grécia: os gregos racionalizavam tudo.
Começam a questionar-se sobre a sua existência, a causa, a origem: para Tales de Mileto, a origem de tudo está na água: “todas as coisas estão cheias de deuses”, diz. Para ele, a água é o deus supremo.

Dois contemporâneos seus encontram outras primeiras causas para tudo o que existe: para Anaximandro, o primeiro princípio de tudo é o Indeterminado; para Anaxímenes, é o ar infinito.
Mas nestes Autores ainda não encontramos o conceito de deuses como o conhecemos; para eles, deuses são dotados de uma energia física, intelectual e afectiva bem à maneira natural e antropológica. Não pensam os deuses como hoje pensamos Deus, o Criador de todas as coisas, inclusive do homem. Ainda que os deuses sejam mais poderosos, homens e deuses concorrem. E misturam-se.
O documentário põe em evidência o lugar sagrado de Delfos. Em Delfos, vivia a sacerdotisa Pitia. Neste oráculo, podia perscrutar-se o futuro. Governavam Delfos Apolo e Dionisos. Apolo é a símbolo da ordem pública, da razão. Dionisos, por seu turno, simboliza a desordem, a vitalidade, a bebedeira, o excesso. Esta dicotomia foi sempre tão forte e influente que atravessou a História até Nietzsche, que n’O Nascimento da Tragédia opõe o espírito apolíneo ao espírito dionisíaco, a arte do escultor e a arte da música isenta de imagens; o sonho e o êxtase.
Além dos deuses do Olimpo, os gregos admitiam também as divindades do mundo subterrâneo, habitado por existências sombrias, onde não havia vida consciente. O seu lugar terrível estava identificado como o Hades.
Para os gregos, é claríssima a distinção entre o corpo e a alma. Vejamos o que Platão põe na boca de Sócrates, no diálogo Fedro: “O ser vivo e mortal é o conjunto do corpo e da alma, solidamente ajustados um ao outro (…) Deus é um ser vivo imortal que possui uma alma, que também possui um corpo, ambos unificados para uma duração eterna” (246c).
A alma – psique (respirar) – do recém-morto há-de atravessar o Rio Aqueronte, levada por Caronte, até ao Hades. A morte é a eternidade de sonhos vazios. Existem dois níveis, no Hades: o Erebus, para onde as almas vão logo a seguir à morte, e o Tartarus, para onde vão as almas que ofenderam os deuses.
Foram os homens gregos que criaram esta religião olímpica, por precisarem de uma alteridade a quem entregassem o poder, a fim de serem regidos desde cima e, não, uns pelos outros. E, agora, tudo lhes chega desde o exterior, provindo dos apetites, dos sentimentos e das paixões dos seus deuses. Assim era o mundo religioso grego.
A segunda parte do documentário fala-nos da incidência da religião grega nos romanos e no cristianismo.
Os romanos descobriram a religião grega no séc.III a. C. e sobrevalorizaram-na: atribuíram nomes romanos aos deuses gregos e deram-lhes um estatuto ainda mais elevado.
Com a extensão do Império até à Judeia, é normal que o cristianismo beba das culturas grega e romana. Em especial, o Apóstolo Paulo, cidadão romano, que viaja pelo Império Romano e pelas ilhas gregas. Chega a falar no Areópago acerca do verdadeiro Deus, Criador de todas as coisas e perto de cada um dos homens (Act 17, 22-27). Esta é uma novidade: um Deus único.
Os alicerces gregos ajudaram à propagação do cristianismo, ainda que não tenham relação directa. Podemos notá-lo nestes três exemplos:
1) Jesus, Filho de Deus, nascido de uma mortal (como os heróis gregos).
2) O conceito de pecado derivado do termo grego amarthia, falhar o alvo.
3) A moralidade pessoal, questão abordada já nos mitos gregos.
Todos estes elementos mostram que a religiosidade grega e a problemática em seu torno é uma questão actual, atravessou milénios
Terminamos com a última ideia do documentário: há uma força enorme que controla os humanos. Temos de a respeitar. A consciência da existência desta força e as perguntas sem resposta fizeram as questões gregas chegarem até hoje.

Bibliografia:

  • Bíblia Sagrada, Actos dos Apóstolos, 17, 22-27.
  • Logos – Enciclopédia Luso-Brasileira de Filosofia,Verbo: Platão.
  • Gauchet, M. – “A dívida do sentido e as raízes do Estado. Política da Religião Primitiva” in AAVV, Guerra, Religião, Poder, Lisboa: Ed. 70, 1980, p. 51-88.
  • Gilson, E. – Deus e a Filosofia. Trad. de Aida Macedo. Lisboa: Ed. 70, 1941.
  • Nietzsche, F. – Nascimento da Tragédia. Trad. de Helga Hoock Quadrado. Lisboa: Relógio d’Água Editores, Junho de 1997.
  • Platão – Fedro. Trad. de Pinharanda Gomes. Lisboa: Guimarães e C.ª Editores, 1981.

David, o guerreiro

Bernini, David

Bernini, David

Para terminarmos este ciclo dedicado ao rei David, escolhemos uma vigorosa escultura de Gian Lorenzo Bernini (Nápoles, 1598 – Roma, 1680), que se encontra na Galeria Borghese. Essencialmente escultor, mas também arquitecto e pintor, Bernini produziu obras universalmente conhecidas, como o “Êxtase de Santa Teresa”, “Apolo perseguindo a ninfa Dafne”, a colunata da basílica de S. Pedro, em Roma, ou o baldaquino sobre o altar-mor da mesma basílica.

A escultura que vamos comentar representa o mais famoso acontecimento da vida do rei David, aquele em que derruba o gigante Golias com um só tiro de funda. Se compararmos a maneira como o tema foi tratado por escultores renascentistas anteriores, como Andrea del Verrocchio, Donatello ou mesmo Miguel Ângelo, verificamos enormes diferenças. Nas obras dos dois primeiros, David é apresentado como um rapazinho elegante, em posição estática, de corpo requebrado, quase efeminado, em atitude serena depois de matar o gigantesco soldado inimigo. Parecem cortesãos em vez de pastores simples e austeros.

O David de Miguel Ângelo é igualmente jovem, mas, ainda assim, muito mais viril. Completamente nu, acentuando a recusa de qualquer espada ou armadura, e revelando, ao mesmo tempo, a mestria do artista na modelação realista da anatomia humana, olha serena, mas firmemente, para o seu adversário, a funda colocada sobre o ombro esquerdo, em gesto confiante, quase displicente. Está plenamente confiante no desfecho favorável do combate. Ao contrário de Verrocchio e Donatello, que mostram já a cabeça cortada de Golias, Miguel Ângelo escolhe um momento anterior ao tiro da funda.

Bernini, por seu lado, também não mostra a cabeça do gigante, mas, ao contrário de Miguel Ângelo, prefere representar o momento preciso em

Bernini, David. Pormenor

Bernini, David. Pormenor

que David executa o disparo. Os artistas barrocos gostam de captar nas suas obras precisamente o instante decisivo da acção, o momento de transformação de uma realidade noutra. Preferem o movimento ao repouso. Por isso, as suas obras apresentam muito maior dinamismo. As esculturas dão passos, gesticulam, como esta de David, cujo torso se contorce vigorosamente. Não é propriamente a perfeição física que interessa, mas o movimento enérgico que traduz uma decisão interior intensa e definitiva.

Os rostos de Bernini mostram densidade psicológica. Se bem repararmos, na foto de pormenor, os lábios vigorosamente apertados, o queixo contraído, o olhar fixo na distância, revelam um estado psicológico de concentração total no alvo a abater, senão mesmo um sentimento de cólera profunda contra quem ousa desafiar o exército de Israel. A forma do rosto e a disposição do cabelo, lembram, vagamente, a ferocidade de um leão. Juntamente com o movimento do corpo, fazem deste David um autêntico “vir bellicosus” ou homem guerreiro. Um guerreiro que tem consciência de que não pode falhar porque dele depende o destino de um povo e porque se sente possuído pela força do Senhor dos exércitos. Um guerreiro simples, despojado, quase nu, mas terrivelmente eficaz.

——————————————————————————————————————————-

Professor Luís da Silva Pereira, Docente da Faculdade de Filosofia da UCP (Braga)

——————————————————————————————————————————–

Michelangelo, David

Michelangelo, David

Andrea del Verrocchio

Andrea del Verrocchio

Donatello, David, 1430

Donatello, David, 1430

Aluno da Católica Braga ganha prémio de Design

Trouxa1É com muita satisfação que felicitamos o aluno António José Bento Taveira por ter alcançado o Primeiro Prémio do Concurso de Designers Baguim Fashion 2014, na categoria “Acessórios”.

Este aluno frequenta o Mestrado em Ensino de Artes Visuais na Faculdade de Filosofia da Universidade Católica, em Braga. Recordamos que esta Escola viu recentemente aprovado o Novo Curso de DESIGN E ARTES VISUAIS.

O Prémio atribuído refere-se ao trabalho realizado, intitulado A TROUXA, cujo descritivo e respetivas imagens aqui apresentamos, com a devida autorização do seu autor.

A TROUXA ou a TROIXA, conforme as localidades onde assim se pronunciava, era um acessório masculino usado nas vindimas para Trouxa2equilibrar, confortar e suportar o peso do cesto, dando origem à transformação num acessório feminino.

A cor preta da carteira foi pensada em combinar com as restantes cores.

A alça da carteira faz lembrar a estribeira da troixa, parte que assentava na cabeça.

O verde à volta, cosido à mão, representa a vinha. Os cachos, são o produto essencial para que algo de especial aconteça, sem eles não seria possível existir ou realizar a vindima.

Nas costas da carteira e ao centro, em forma de escudo, contém as cores de Portugal. Rico de um produto de norte Trouxa5a sul, o cacho, substitui as torres e as quinas e significa o vinho conhecido pelo mundo fora, tão poderoso de sabores, como os portugueses quando fizeram as suas descobertas e chegaram aos cinco cantos do mundo.

Os discos de vinil, para além fortificar e dar resistência ao acessório, podem muito bem significar as cantigas usadas pelos homens durante o percurso com o cesto às costas, ou até mesmo as cantigas das vindimadeiras nos talhões da vinha, quando cortam os cachos.

O acessório torna-se mais prático com uma bolsa na alça, pode ser usada como suporte do telemóvel, pela facilidade da comunicação atual, ou até mesmo para guardar o maço de cigarros e o isqueiro.

Trouxa4

Faculdade de Filosofia atribui 20 Bolsas para o estudo da Filosofia

A Faculdade de Filosofia atribui 20 Bolsas para o estudo da Filosofia no ano letivo de 2014-2015.

Texto publicado no Jornal Diário do Minho sobre este assunto:

Bolsas de  estudos para Filosofia